Apêndice: exclusão de versão na pesquisa.

Durante as buscas pelas palavras-chave na versão da Bíblia em língua portuguesa de Portugal - a Bíblia Para Todos – Edição Católica (BPTC) - como resultado surgiram diversos versículos escritos em livros que não existem nas outras três versões escolhidas para comparação. Sendo assim, seria impossível estabelecer paralelos durante às análises dos textos e quantificar a ocorrência real das palavras, ensinos ou mandamentos sobre o tema pesquisado.

Outro aspecto relevante a ser destacado é que os livros da versão católica em que foram encontradas as palavras de interesse, diferentes das outras versões, não possuem a mesma característica literária em relação ao teor de autoridade espiritual que lhes é atribuído pelos próprios autores. Um exemplo emblemático que pode ser destacado é a conclusão do livro de 2 Macabeus capítulo 15, versos de 37 a 39, onde se lê: “Assim se passou o episódio de Nicanor. E como desde essa ocasião a cidade se encontra na posse dos hebreus, eu igualmente termino o meu relato. Se ele estiver bem e adequadamente composto, era justamente o que eu queria. Mas se for imperfeito e medíocre, fiz o melhor que pude. Pois, tal como faz mal beber somente vinho ou somente água, mas vinho misturado com água é delicioso, assim também a elaboração de uma história comove os ouvidos de quem a lê. Portanto, aqui termino”. Em nenhum outro livro das outras versões bíblicas se encontra alguma expressão que coloca em dúvida a qualidade ou veracidade dos relatos por parte dos autores, pelo contrário, todos são escritos em tom de autoridade Divina. E foi justamente este o interesse de investigação pelos textos da Bíblia para constatar se, nesta literatura admitida pela cultura cristã como um conjunto de textos inspirados pelo Espírito do Deus Criador e Pai de Jesus, por isso dignos de toda a autoridade como forma de mandamento, seria encontrada alguma ordem para que os pais utilizassem de punição física no processo de como educar seus filhos.

De qualquer forma, como já recomendado no estudo em questão, recomenda-se que para aprofundamento do tema ou refutação dos argumentos da conclusão seja realizada pesquisa com base nos textos mais próximos possível dos originais das línguas hebraica, aramaica e grega. Desta forma, não se fará necessário investigar tantas versões nas centenas de idiomas em que a Bíblia foi traduzida, ou ainda, percorrer as infinitas seitas e religiões que se autodenominam como cristãs.