Dia do Psicólogo(a): desmistificando nosso papel.

Quer saber o que acontece dentro do Setting terapêutico? Em comemoração ao Dia do(a) Psicólogo(a) eu conto. Embora não seja a única área e nenhuma possa ser considerada mais importante, falarei apenas deste ambiente onde acontece a prática clínica do(a) psicólogo(a), que é a qual atualmente me dedico exclusivamente. Para constar, existem outras 10 áreas de atuação na profissão, são elas: Psicologia Escolar/Educacional; Psicologia Organizacional e do Trabalho; Psicologia de Trânsito; Psicologia Jurídica; Psicologia do Esporte; Psicologia Hospitalar; Psicopedagogia; Psicomotricidade; Psicologia Social; e, Neuropsicologia. Além destas, cada vez mais se descobre outras possibilidades na psicologia, pois se trata de algo maior que a profissão, ou seja, é um aspecto inerente à própria existência humana.

Em primeiro lugar, na terapia quem manda é você: o cliente. Uso aqui o termo cliente em detrimento da ideia de “paciente”, “usuário” e outros por razões que espero abaixo ficarem evidentes. Você é quem manda sim! Por mais que esteja vivenciando alguma situação de crise, tenha uma demanda que não reconheça, possua limitações em qualquer sentido ou mesmo encontre-se no Setting contra sua própria vontade por razões as vezes até judiciais, mesmo assim, o “dono” da situação é você.

Em segundo lugar, neste local “sagrado” (Setting Terapêutico) nada é invasivo! Você define os assuntos a serem tratados e tem o direito de se expressar como quiser. Os valores, os princípios, a cultura, as ideologias e formas de pensar e crer que importam são as suas (não significa que não possam mudar se você assim decidir). Todo o sigilo de tudo o que acontece dentro deste ambiente é garantido e, nem mesmo um juiz, pai ou outra autoridade pode me obrigar a dizer algo da intimidade de quem eu atendo. A única ressalva acontece em relação a algo que possa justamente oferecer algum risco para sua vida ou de terceiros. Mesmo assim, cabe a(o) profissional psicóloga(o) julgar e decidir pelo menor dano.

Em terceiro lugar, a postura do terapeuta (psicólogo neste caso, pois outros profissionais podem ser terapeutas) é colaborativa para com o seu cliente. Pois, ainda que o(a) profissional seja a maior autoridade mundial no assunto a ser tratado, sempre o “expert” sobre a vida da pessoa que busca atendimento será ela mesma. Ninguém sabe mais sobre você além de você mesmo(a), inclusive crianças e adolescentes, guardado o devido direito de seus responsáveis legais, são também os que mais sabem sobre eles mesmos e precisam ser respeitados por isso. Costumo dizer a quem solicita meus serviços que juntos vamos construir os planos para atingir seus objetivos, ele(a) traz as informações sobre sua vida e eu contribuo com o que existe na ciência da Psicologia, mas, quem toma a decisão final é sempre o cliente.

Por fim, apenas para não ser longo com este texto e explicitar a minha escolha por utilizar o termo “cliente” e não “paciente”, dentro do Setting terapêutico o(a) psicólogo(a) presta um serviço. Embora diante dele(a) esteja uma pessoa como um todo em sua constituição de ser humano, não é em tudo a respeito de si que ele(a) precisa de ajuda. Todos possuem habilidades, qualidades e competências. O profissional que o atende não é infalível e pode cometer erros até mesmo na área em que ajuda o outro. E isto não significa que dizemos o que devem fazer (pois não damos conselhos) e fazemos diferente, não somos “líderes religiosos” e este falso peso moral não cabe sobre nossos ombros.

 

Neste Dia do Psicólogo, em 27 de agosto de 2020, sou extremamente grato a Jesus Cristo por nunca ter tido outro emprego em minha vida além de Psicólogo, desde o dia em que peguei na mão a minha carteira do CRP 08. A não ser como professor (que é minha primeira profissão) justamente para ensinar outras pessoas a exercerem este ofício do qual me orgulho tanto. Eu poderia concluir dizendo que a Psicologia é minha vida, mas isso seria reducionista demais quanto ao valor da minha profissão, pois a Psicologia é a vida de todo ser humano. Uma vez que todos nós possuímos cognições, emoções e comportamentos, a Psicologia é inerente à própria existência humana!

Luis Antonio Silva Bernardo

Psicólogo CRP 06/115616