Guia para Psicoterapia

 

O processo de psicoterapia não segue um caminho “aleatório” e incerto quanto aos resultados que pode alcançar, muito pelo contrário, vamos trabalhar juntos com base em um planejamento que será revisto e avaliado continuamente durante todo o acompanhamento.

Por isso, elaborei este breve e simples “Guia Para Psicoterapia” com a intenção de oferecer às pessoas que tenho a honra de atender como psicólogo algumas informações que devem otimizar o nosso aproveitamento no processo psicoterápico.

Um passo fundamental será desenvolvermos uma relação terapêutica colaborativa e sólida, na qual os seus valores, objetivos e aspirações serão respeitados.

A cada encontro faremos uma avaliação e teremos momentos de reflexão para dar e receber feedback, durante e ao final das sessões, sobre o que cada um de nós percebemos, como avaliamos o seu progresso, como você se sente e que mudanças deseja.

O melhor para você não significa seguir padrões contrários aos seus princípios, estilo de vida, cultura, espiritualidade, sexualidade e tudo o que considera mais importante. O conhecimento da psicologia permite liberdade para tomar as decisões mais saudáveis em sua vida.

Além de compreender melhor suas limitações ou dificuldades, você também poderá perceber seus aspectos mais positivos e fortes, que já possui, utilizou em outros momentos de sua vida, ainda faz uso deles, serão úteis neste processo de psicoterapia e no futuro.

Vamos trabalhar como uma equipe e toda equipe possui um líder. Como se trata da sua psicoterapia o líder de nossa equipe será VOCÊ! Quem toma a decisão final a respeito do que deve ou não colocar em prática na sua vida é sempre você!

Aspectos do seu passado serão tratados apenas na medida de seus próprios interesses em abordá-los, de acordo com a necessidade de compreender o que contribuiu para sua formação atual ou quando as mudanças no presente não forem suficientes para SUA satisfação.

Os avanços alcançados no processo de psicoterapia lhe permitirão que se torne “o terapeuta de si mesmo” devido ao conhecimento que irá adquirir e ter a capacidade de aplicar para o resto de sua vida, em todas as áreas e diante de desafios futuros.

 

Existe uma previsão para o tempo de acompanhamento nesta forma de psicoterapia, com começo, meio e fim. O tratamento basicamente possui fases de avaliação, psicoeducação, planejamento de ações e prevenção da recaída. Geralmente em 8 a 20 sessões é possível que a maioria das situações problemáticas sejam superadas, mas, existem casos específicos ou intercorrências que podem exigir um período maior de trabalho de até 1 ou 2 anos. Considero importante lembrar o Código de Ética do Psicólogo em seu texto no art. 2º, alínea “n”, quanto a não prolongar desnecessariamente a prestação do serviço.

Assim, para manter uma estrutura e previsão clara de como alcançar o sucesso em nosso trabalho, as sessões também possuem uma previsão de começo, meio e fim. Não se trata de um “bate papo” apenas para se sentir melhor ou desabafar. Embora seja muito importante a oportunidade de falar e ser ouvido, cada momento da conversa tem um objetivo claro para seu bem-estar.

Você mesmo irá perceber como melhor questionar, refletir e examinar a si mesmo da maneira mais coerente com seus propósitos. Irá elaborar suas próprias mudanças e planos de ação a cada semana.

Antes de cada sessão considere as seguintes reflexões:

  1. O que aconteceu de importante esta semana?

  2. Como me senti na maior parte do tempo?

  3. Quais são as minhas principais preocupações neste momento?

  4. O que percebo que está mudando e quais são minhas dificuldades?

  5. Como estão meus relacionamentos?

  6. Existe algo que não posso esquecer de falar?

  7. Como foi a última sessão e o que pratiquei desde então?

  8. Existe algo que ainda não consegui falar na psicoterapia?

Enfim, todo o processo da psicoterapia é solidamente baseado em evidências científicas que foram reunidas durante décadas por diversos pesquisadores, clínicos e profissionais de muitas regiões do mundo, que a partir de agora você terá acesso e poderá aplicar à sua vida!

Referências:

- Beck, A. T.; Rush, A. J.; Shaw, B. F.; Emery, G. “Cognitive Therapy of Depression”. The Guilford clinical psychology and psychotherapy series, 1979

 

- Beck, J. S. "Terapia cognitivo-comportamental - teoria e prática". Artmed, 3ª Ed. 2022.

- Coelho, R. M. & Teodoro, M. L. M. "Terapia de casais: avaliação e intervenção". In, Teodoro, M. L. M. & Baptista, M. N. Psicologia de Família: teoria, avaliação e intervenção. 2 ª Ed. – Porto Alegre : Artmed, 2020.

 

- Wright, J. H.; Basco, M. R.; Thase, M. E. “Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental: um guia ilustrado”. Tradução: Armando, M. G. Porto Alegre: Artmed, 2008.

 

- Rodrigues, H., Mesquita, C., Ventura, P. (2019). Tratamento com terapia cognitivo-comportamental e realidade virtual para o medo de voar de avião: protocolo para o terapeuta. In Federação Brasileira de Terapias Cognitivas, C. B. Neufeld, E. M. O. Falcone & B. P. Rangé (Orgs.), PROCOGNITIVA Programa de Atualização em Terapia Cognitivo-Comportamental: Ciclo 6 (pp. 9–42). Porto Alegre: Artmed Panamericana. (Sistema de Educação Continuada a Distância, v. 2)

Luis Antonio Silva Bernardo

Psicólogo CRP 19/004142